Nos acompanhe através das redes socias

Boletim Informativo

Para manter-se atualizado, cadastre seu e-mail e receba os nossos informativos periódicos!

31 de Janeiro de 2020

IBDFAM - Justiça do Paraná permite que casal concretize adoção de bebê morto

Fonte: IBDFAM

A 11ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Paraná – TJPR permitiu que o curso de um processo de adoção seguisse mesmo após a morte do bebê. A relação de afeto estabelecida em apenas dois dias de convívio foi bastante para que o casal de adotantes quisesse ir até o fim no reconhecimento da parentalidade.

A mãe biológica da criança tomou medicamentos abortivos a fim de interromper a gravidez, o que acabou antecipando o parto para a 23ª semana de gestação. Prematura, a menina foi entregue à adoção, já que a progenitora não tinha condições para criá-la. A saúde frágil do bebê o fez ser rejeitado por quatro casais.

Um quinto casal, contudo, decidiu pela adoção da menina. Ela morreu no quinto dia de vida e dois dias após o início do estágio de convivência, sem a conclusão desse processo. Mesmo após a fatalidade, o casal optou por concretizar a adoção, reconhecendo a menina como filha.

Em primeiro grau de jurisdição, o juiz ressaltou que não poderia ignorar a relação de afeto existente na situação, em que pais deram nome e sepultaram a filha na presença de familiares e amigos. Destacou, ainda, que a ausência de previsão a respeito da possibilidade de conclusão da adoção após a morte do adotando na legislação brasileira não significa a proibição de concretizá-la.

Após a sentença favorável ao pleito, o Ministério Público recorreu, alegando que a adoção não seria juridicamente possível nessas circunstâncias, devido à perda do objeto do processo e à falta de previsão legal. Por unanimidade, a 11ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Paraná não acolheu o recurso e manteve as determinações da sentença.

Decisão traz olhar sensível e humanizado

Segundo o juiz Fernando Moreira, vice-presidente da Comissão de Adoção do Instituto Brasileiro de Direito de Família – IBDFAM, a decisão traz uma percepção mais sensível, não apenas fixada em normas, para os processos de adoção. Trata-se, de acordo com o magistrado, de uma tendência crescente no ordenamento jurídico brasileiro.

“Ao suprir a lacuna legal para permitir o prosseguimento do processo de adoção, mesmo após a morte da criança adotanda, o Poder Judiciário do Estado do Paraná mostrou uma visão mais humanizada do intérprete na aplicação do Direito, privilegiando as questões existenciais que, por muito tempo, foram deixadas à margem das decisões judiciais”, observa Fernando.

“Essa visão pro homine se mostra como uma tendência do nosso Judiciário, sobretudo em matéria de adoção. A título de exemplo, citam-se: a relativização da diferença de idade mínima entre adotante e adotando, atualmente em 16 anos de idade; a excepcional autorização de adoção por pessoas que não estavam cadastradas à adoção, mas que criaram vínculos de afetividade com a criança ou com o adolescente; o uso do nome afetivo durante todo o processo de adoção etc.”, acrescenta o juiz.

Ele diz que pleitos como esse, julgado no Paraná, são raros. “É mais comum ver situações em que os pais falecem no curso do processo. Mas, caso surjam casos semelhantes, certamente o julgado do TJPR foi lapidar para demonstrar os rumos a adotar.”

Questões patrimoniais costumam gerar controvérsias

O magistrado atenta que casos assim não costumam acompanhar controvérsias ou argumentos contrários. “No presente caso, o magistrado enfatizou que não havia interesses patrimoniais envolvidos, ou seja, a criança não possuía patrimônio. Mas, mesmo que houvesse interesse patrimonial, penso que o Poder Judiciário deveria ter decidido da mesma forma. Não vejo razão para negar a consolidação de um vínculo existencial pela adoção em razão de uma questão meramente patrimonial”, defende Fernando.

“Aliás, parece incompatível com o princípio da boa-fé objetiva a conduta dos pais que entregam o filho para adoção e, posteriormente, reivindicam a herança. Mesmo que se alegasse que os pais que entregam o filho para adoção possuem o direito de arrependimento, previsto no artigo 19-A, §8º, do ECA, não devemos nos esquecer que se trata de um caso de indignidade, que justifica a exclusão da sucessão em razão do atentado contra vida do próprio filho, conforme artigos 1.814 e seguintes do Código Civil”, acrescenta.

“Já aqueles que amaram a criança e zelaram de sua integridade psíquico-física como filho, exercendo a autoridade parental, mesmo que por breve espaço de tempo, mereceriam a suposta herança”, assinala.

Poucos dias foram suficientes para o vínculo de afeto

Por outro lado, havia a possibilidade da alegação que não houve vínculo de afeto consolidado no curto espaço de convivência, de apenas dois dias. “Contudo, não se deve esquecer que houve um longo processo de habilitação para adoção, no qual os pais foram devidamente preparados para aquele momento”, pondera Fernando.

“Na sequência, após a notícia da existência de uma criança disponível para adoção, foram novas expectativas: o contato da Vara da Infância com a família, a visita ao acolhimento ou à maternidade para conhecer a criança, a novidade noticiada aos quatro ventos pela família de que o filho chegara, a angústia por uma provável morte prematura.”

“Tudo isso possui valor jurídico que não pode ser desprezado pelo julgador. Definitivamente, a existência de diversos direitos da personalidade envolvidos não permite tratar o caso como mera perda de objeto”, sustenta o magistrado.


Fonte: IBDFAM

Confira Também